Feeds:
Artigos
Comentários

Linguagem não verbal…


A Fonoaudiologia é uma profissão articulada à Saúde, e a formação dos profissionais deve conter ênfase na promoção, prevenção, recuperação e reabilitação de saúde individual e colectiva. Dessa forma o fonoaudiólogo actua na prevenção, na avaliação, na habilitação e na reabilitação dos distúrbios da comunicação, assim como no aprimoramento da comunicação humana; actua também em acções preventivas de saúde colectiva direccionadas à linguagem oral e escrita, audição, fala, voz e motricidade oral.

O que tu não dizes diz muito de ti!

 

Quantas vezes nos deparamos com o instinto a revelar-se em cada um de nós, avisando-nos de que algo está a acontecer… esse instinto é fomentado pela linguagem não verbal… será que lhe damos a devida inportância?

Costumam dizer “segue os teus instintos” !!!

 

Dislexia….novo método


 

Dislexia segundo a Wikipédia é mais frequentemente caracterizada pela dificuldade na aprendizagem da decodificação das palavras, na leitura precisa e fluente e na fala. Pessoas disléxicas apresentam dificuldades na associação do som à letra (o princípio do alfabeto); também costumam trocar letras, p. ex. b com d, ou mesmo escrevê-las na ordem inversa, p.ex “ovóv” para vovó. A dislexia, contudo, não é um problema visual, envolvendo o processamento da fala e escrita no cérebro, sendo comum também confundir a direita com a esquerda no sentido espacial.[2] Esses sintomas podem coexistir ou mesmo confundir-se com características de vários outros factores de dificuldade de aprendizagem, tais como o déficit de atenção/hiperatividade,[3] dispraxia, discalculia, e/ou disgrafia. Contudo a dislexia e as desordens do déficit de atenção e hiperatividade não estão correlacionados com problemas de desenvolvimento.

Para os interessados poderão consultar a página web da  Drª Paula Teles.

Musicoterapia


Drª Luísa Maria Costa Gomes

luisagomes@az.netcabo.pt

  • Educadora Especializada na área da Educação Especial – área Mental / Motora; Musicoterapeuta.
  • Curso de Estudos Superiores Especializados em Educação Especial – IPP (Instituto Politécnico do Porto) – Extensão da Madeira (1998).
  • Curso de Musicoterapia – dirigido pela Doutora Jacqueline VERDEAU-PAILLÈS da Universidade René Descartes / Paris IV / Paris V e Salpêtrière – na Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação da Região Autónoma da Madeira (1998).

Desenvolve na Escola Básica e Jardins de Infância pertencentes à Básica Roberto Ivens o projecto de Musicoterapia que envolve crianças com Necessidades Educativas Especiais, no entanto o método que utiliza e a forma como o aplica fez com que fosse introduzido em salas do pré-escolar e no 1º Ciclo.

A musicoterapia emerge como abordagem inovadora e como resposta multidisciplinar transversal aos novos paradigmas da Educação, Ciência, Arte, Cultura e Formação na Escola Inclusiva.

  • Expressões
  • Os grandes princípios da musicoterapia enunciados por BENENZON referem-se ao respeito e ao incentivo da criatividade e da espontaneidade, os quais se repercutem nos actuais conceitos de empowerment , no seu sentido e alcance em termos de desenvolvimento humano, de dignidade e de cidadania.

    A Federação Mundial de Musicoterapia apresenta a definição oficial como sendo «a utilização da música e/ou dos seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) por um musicoterapeuta qualificado, com um cliente ou grupo, num processo destinado a facilitar e promover a comunicação, relacionamentos, aprendizagens, mobilização, expressão, organização das faculdades psíquicas e outros objectivos terapêuticos relevantes, a fim de atender às necessidades físicas, mentais, sociais e cognitivas. A musicoterapia busca desenvolver potenciais e/ou restaurar funções no indivíduo para que alcance uma melhor organização intra e/ou interpessoal e, consequentemente, uma melhor qualidade de vida, através da prevenção, reabilitação ou tratamento».

    Através da Acção de Formação sobre Musicoterapia pretende-se criar um conjunto hábil de ferramentas inovadoras em contexto de sala de aula, tendo subjacentes metodologias específicas e princípios orientadores consubstanciados no Projecto Educativo das Unidades Orgânicas/Escolas. A Musicoterapia incluída no PEE visa potenciar e desenvolver o processo de activação global do desenvolvimento de cada criança e jovem, secundando a grande finalidade terapêutica subjacente ao seu conceito oficial. Associada ao conceito de saúde preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), numa abordagem holística do ser humano, a prática da musicoterapia nas escolas, visa potenciar e desenvolver o processo global de ensino e aprendizagem e implicitamente incentiva o sucesso educativo e a actualização das capacidades e potencialidades humanas no exercício dos deveres e dos direitos de cidadania e assim concomitantemente, contribui também para o desenvolvimento da qualidade de vida dos participantes envolvidos no processo.

    Secundando metodologias aplicadas de musicoterapia receptiva, activa e de associação de técnicas, votadas para o desenvolvimento de actividades musicais e sonoras com exercícios e experiências práticas de tarefas de improvisação, criatividade, memória auditiva, memória visual, interpretação e reprodução de obras e de excertos musicais, rítmicas, melódicas, utilizando escuta musical e manipulando instrumentos musicais, utilizando a voz humana e as expressões artísticas associadas à música e ao envolvimento sonoro, actividades realizadas em contexto de grupo ou na abordagem individualizada, pretende-se, de acordo com o traçado de objectivos específicos para cada grupo ou indivíduo, chegar à estimulação e desenvolvimento de:

    • Funções cerebrais
    • Capacidades sensoriais
    • Capacidades motoras
    • Capacidades de socialização, sociabilidade e autonomia
    • Capacidades de linguagem e de comunicação
    • Capacidades de imagem e de esquema corporal
    • Capacidades de estruturação de espaço e de tempo
    • Capacidades de percepção e de cognição (memória, atenção, concentração e raciocínio)
    • Capacidades de iniciativa e de criatividade
    • Actividades académicas
    • Expressões

     

    Bibliografia para consulta

    LINGUAGEM ORAL


    ” A aquisição de um maior domínio da linguagem oral é um objectivo fundamental da educação pré-escolar, cabendo ao educador criar as condições para que as crianças aprendam. Entre estas, salienta-se a necessidade de:

    Criar um clima de comunicação em que a linguagem do educador, ou seja, a maneira como fala e se exprime, constitua um modelo para a interacção e a aprendizagem das crianças. (…)

    (…) É no clima de comunicação criado pelo professor que a criança irá dominando a linguagem, alargando o seu vocabulário, construindo frases mais correctas e complexas, adquirindo um maior domínio da expressão e comunicação que lhe permitam formas mais elaboradas de apresentação. O quotidiano da educação pré-escolar permitira, por exemplo, que as crianças vão utilizando adequadamente frases sompes de tipos diversos: afirmativa, negativa, interrogativa, exclamativa, bem como as concordâncias de género, número, tempo, pessoa e lugar. (…)”

    Orientações curriculares para a educação pré-escolar, edição de 1997, paginas 66 e 67

    A Dançar aprendo!


    Para mim nada melhor do que conjugar a diversão com a aprendizagem.

    Linguagem para quê?


    Linguagem para…. relacionar,

    para interagir….

    para conhecer….

    explorar….

    comunicar…

    Sem ela não podemos  viver, através dela conhecemos-nos e conhecemos os outros e o que nos rodeia e interagimos através da linguagem mesmo que não seja verbal. e quando não existe a linguagem verbal recorremos a outras formas tal como a linguagem gestual. É dessa forma que muitas pessoas comunicam e até cantam.

    Sobre o pensar

    Terrível o pensar.
    Eu penso tanto
    E me canso tanto com meu pensamento
    Que as vezes penso em não pensar jamais. Mas isto requer ser bem pensado.
    Pois se penso demais
    Acabo despensando tudo que pensava antes
    E se não penso
    Fico pensando nisso o tempo todo.

    (Millôr Fernandes)

     

     

     

    Vive cada dia como se fosse o último e aprende como se vivesses para sempre.

     
    Como seres humanos necessitamos de comunicar com tudo o que nos rodeia utilizando diferentes tipos de linguagem, corporal, gestual, verbal…
    Desde que nascemos comunicamos na tentativa de interagir com o mundo e através dessa interacção recebemos valores, experiências que nos fazem crescer.
    Quando surgem, por várias razões, barreiras na comunicação o futuro desenvolvimento fica comprometido, sendo fundamental a intervenção o mais precoce possível.

     

    Comunicar com Símbolos – campanha de lançamento termina a 31 de Dezembro

    Até 31 de Dezembro de 2009 poderá usufruir de preços especiais de lançamento do novo software Comunicar com Símbolos.

    Trata-se de um novo software no âmbito da Comunicação Aumentativa e Alternativa, que virá substituir o Escrita com Símbolos.

    O Comunicar com Símbolos é a ferramenta ideal para escrever texto ilustrado com símbolos, indicado para todos os utilizadores que precisem de desenvolver as suas competências de leitura e escrita, e para os que utilizam os símbolos como apoio à comunicação e linguagem.Comunicar-com-simbolos_thumbnail copy

    Tal como no Escrita com Símbolos, o texto é ilustrado automaticamente com símbolos, e tudo o que se escreve poderá ser lido pela Madalena – um sintetizador de voz em Português Europeu de excelente definição.

    Relativamente ao seu antecessor, o Comunicar com Símbolos apresenta-se com uma nova tecnologia de simbolização inteligente (o símbolo afigura-se de acordo com o contexto semântico), e inclui mais de 10.000 Símbolos para a Literacia da Widgit. A possibilidade de configurar interfaces de acordo com as necessidades e capacidades dos utilizadores é também uma novidade, e a elaboração de grelhas de comunicação interactivas está bastante mais simplificada.

    Em campanha de lançamento, pode adquirir o Comunicar com Símbolos por 205,00€ (iva incluído).

    Para clientes que adquiram o Escrita com Símbolos entre 10 de Outubro e 31 de Dezembro de 2009, o Comunicar com Símbolos poderá ser adquirido por apenas 18,00€ (iva incluído).

    Clientes que tenham comprado o Escrita com Símbolos ou o inVento antes de 10 de Outubro de 2009, poderão adquirir agora o Comunicar com Símbolos por 123,00€ (iva incluído).

    Esta campanha é válida até 31 de Dezembro de 2009.

    Aproveite e encomenda já!

    Mais informações em www.imagina.pt

    Seguir

    Get every new post delivered to your Inbox.